quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Uma coisa de cada vez

Eu costumo pensar no Tempo como um inimigo, Cronos, sempre devorando seus filhos. Sempre provocando terror e ansiedade, sempre o relógio tiquetaqueando, sempre nos obrigando a correr, aos tropeços, custe o que custar. Mas, pensando bem, Cronos foi agrilhoado e feito escravo nos nossos tempos. Obrigado a trabalhar enclausurado em relógios e folhas de calendário, encaixotando os dias dentro de quadradinhos. E nós fomos agrilhoados juntos, como burros perseguindo uma cenoura à nossa frente, que está amarrada na ponta de uma vara que está presa nas nossas próprias costas. A cenoura é sempre amanhã.

A ansiedade, sempre juntinha da melancolia. Pensar em tarefas acumuladas, atrasadas, prazos, expectativas, planos. Coração começa a acelerar, a cabeça começa a pesar, o estômago a revirar.
Estou tentando parar.
Uma. Coisa. De. Cada. Vez.
E andando somente no meu tempo, mesmo que leve muito tempo. Mesmo que frustre expectativas alheias, mesmo que tenha que abrir mão e largar fardos pelo caminho. Nada é tão importante quanto estar em paz e sorver com calma os goles da própria vida.


Aqui estão algumas fotos de naturezinhas que tirei no parque, porque coisinhas bonitas refrescam a alma:

Flor de maracujá.
Flores pequeninas que crescem na grama.
Puf.
Acho que eram do pé de maracujá, também. Parecem sininhos ou alguma peça de vestimenta de fada.
Sabiazinho.
Esse sabiá estava bebendo a água que acumulou nos veios da madeira.
Árvore que tudo vê.
Esse é meu blog e eu posso colocar fotos da minha cara.
No passeio também catei algumas coisinhas que fui encontrando pelo caminho:

Restos de um passarinho, provavelmente um sabiá, que ainda vou limpar; uma sementinha de cabelo loiro; peninha, um galhinho com bolinhas, e pedaços de musgo em cascas de árvore. A foto está escura e sem detalhes porque o dia está cinza...
E por falar em coisinhas recolhidas da natureza, eu fiz esses relicários:


Foram vendidos, mas estou sempre reunindo material e certamente ainda farei mais. =)

15 comentários:

  1. Nossa, essa arvore......
    lindos os relicarios.. as fotos, tudo lindo!
    blessed be!

    ResponderExcluir
  2. é engraçado como estes pequenos detalhes tem um efeito terapêutico. Onde eu trabalho tem um jardim frontal com duas árvores enormes que ficam cheias de andorinhas. Quando eu fico estressado, gosto de ir até a janela e ficar olhando essas andorinhas voarem. As penas refletem um azul muito bonita quando estão em contato com a luz do sol. Eu não sei explicar o que realmente acontece, mas ficar olhando pra elas me deixa de bom humor!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem efeito terapêutico, sim! Adoro a iridescência das penas de certos pássaros também... e de qualquer forma, observar passarinhos sempre me alegra, me dá uma coisinha gostosa hahah =)

      Excluir
  3. Sua câmera eh foda xD esse parque eh foda ...

    Adoro as tralhas q c acha por aew meu...
    ontem achei uma pena de pavão , hoje achei um ninho xD
    Mas é tão difícil achar coisa aqui...

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  5. Olá Carol, qual camera que voce usa pra tirar essas fotos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi! Olha, não é uma câmera muito especial não, é uma FinePix S1800 da Fujifilm. Mas ela quebra um galho =) Geralmente faço alguns ajustes no photoshop.

      Excluir
    2. Poxa, eu até achei que fosse uma do nível da Nikon D90. Mas que bom, isso prova que é você quem é a boa fotógrafa!

      Excluir
  6. três coisas:

    vc é linda demais!

    prestar atenção nestas coisinhas que você fotografou é terapêutico (eu acho).

    amei os relicários!

    ResponderExcluir
  7. oi carol. acabei de conhecer seu blog e já amei as fotos. onde vc arranja esses relicários?? obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi! Eu compro os relicários pela internet, no site etsy =) Beijos!

      Excluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. ...olá. Encontrei seu blog nem lembro como, mas sempre paquerei seus artefatos no Lua Turquesa.
    Estou gostando muito do seu blog, seus textos, doçuras e desenhos; tudo tão delicado... Chega a dar aquela sensação de chuvinha mansa tilintando no telhado, enquanto os passarinhos brincam felizes na terra úmida!

    ~Uma das coisas que me deixou curiosa é: como você limpa os crânios? Algum produto químico?

    A mim parece ritualístico todo o processo de garimpar na terra o que a vida deixou e depois limpar dos ossos a carne seca e transformar tudo em imortalidade...
    :)

    ResponderExcluir

Real Time Web Analytics