domingo, 19 de setembro de 2010

Strange magpie

Tenho síndrome de magpie. Mas minha afinidade não é exatamente por objetos brilhantes. Por onde ando, procuro coisas pra catar e trazer pro meu ninho. Isso inclui penas, pedras, folhas, flores, insetos e bichos mortos.

Claro, quando se trata de bichos mortos, só pego se estiverem de alguma forma administrável e não-nojenta (embora muitas pessoas irão considerar nojenta esta minha prática, de qualquer forma).

Como este pequeno beija-flor naturalmente mumificado. Quão raro é encontrar um beija-flor morto? Ele teve o corpinho limpado por formigas, sol e chuva, enquanto ficou exposto no solo. Eu estudei maneiras de limpá-lo totalmente para ficar apenas com o esqueletinho, mas comecei a gostar dele desse jeito mesmo (e tive medo de estragar).

E outra aquisição recente foi este osso de pássaro que encontrei na beira do lago no parque. Não sei de que pássaro é. Penso que pode ser de quero-quero, já que tem muitos por ali, e o formato parece coincidir com algumas fotos que eu vi.

Depois tirarei fotos dos meus outros tesourinhos. Calma, provavelmente não serão tão chocantes quanto estes.

sábado, 4 de setembro de 2010

Lavender

Fadinha pronta. Aposto que é a primeira fada com celulite que você já viu.

As flores no cabelo dela são florzinhas de lavanda, ou alfazema. Uma das plantinhas mais bonitas e cheirosas, de perfume fresco e limpo, sua fragrância inspira tranquilidade e pureza,cresce em campos infindáveis que parecem um sonho.

Desde a antiguidade está associada à idéia de limpeza, tanto que seu nome vem do latim lavare - lavar. Os romanos a utilizavam em seus banhos e as mulheres vitorianas a usavam em travesseiros que cheiravam para se recuperar dos desmaios causados pelos corpetes apertados. Alivia a insônia, exaustão, depressão e irritabilidade. Acalma os nervos e a dor, estimula a imunidade, reduz as ondas cerebrais e o stress, e, uma informação engraçada: ao ser testada em escritórios, diminuiu em 25% os erros dos funcionários que trabalham em computadores.

A flor seca em saquinhos de algodão colocada em armários espanta insetos e traças, e perfuma as roupas, a cama, o quarto.

Existe o mel de lavanda, que eu nunca provei, mas deve ser uma delícia.

E meu sonho é ir parar num lugar desses:

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Lavender WIP

Work-in-Progress.
Deixando as mãos por último, porque é o mais chato.

Vou dormir a contragosto. Sinto falta das madrugadas silenciosas e solitárias, em que posso afundar no meu mundo e matar a sede da alma.
Posso sorver pequenas gotas aqui e ali, mas com o passar dos dias, o contato com o mundano vai empurrando a alma pro fundo, e não dá nem pra dizer que é dolorido ser inteira superfície, porque ruim mesmo é não sentir dor alguma.
Real Time Web Analytics