domingo, 20 de dezembro de 2009

WIP de fadinha

Recebi uma encomenda (do Jeff, aquele lá do Teddy and the Yeti!) de um desenho de fadinha para presente de Natal. Eba! Ele pediu algo em papel, aquarela. Aí está o trabalho-em-progresso. Nossa, já fazia tempão que eu não mexia com aquarela. Ou com desenho, né? Às vezes passo tempo demais sem desenhar... sempre prometo a mim mesma que não vou deixar isso acontecer, mas sempre acontece.

(na verdade ela já tá pronta, mas acabei de passar verniz e não dá pra scanear =))

E de presente de Natal adiantado... recebi de meus amiguinhos Haya e Giu um colar liiiiindo e muito de fada! Feito à mão, com linha trançada e pedras bonitas...

Amei!!!

domingo, 6 de dezembro de 2009

O espírito indomável

Hoje não tem desenhos. Faz um bom tempo que não posto aqui e é por falta de produtividade, inspiração, e tudo.
Mas caiu aqui em minhas mãos agora a última edição da revista Veja, com uma reportagem sobre os filmes O Fantástico Sr. Raposo, Onde Vivem os Monstros e Alice de Tim Burton. E tem uns trechos nessa reportagem que simplesmente me deixaram encantada.

E eu só vou transcrevê-los.

"...Raposo, enfim, foi domesticado. E não pelos três fazendeiros coléricos, mas por quem mais ama. Pode um animal selvagem, entretanto, ser assim desnaturado? Essa é a pergunta que Raposo faz a si mesmo várias vezes no decorrer de O Fantástico Sr. Raposo (...). A pergunta já vem, na verdade, em forma de alternativa: não, não pode, e acima de tudo não deve - porque existe algo de fundamentalmente belo e vivo, poe-se até dizer de sublime, no que é a natureza de uma raposa (ou de um homem)."

"Três filmes não necessariamente compõem uma tendência. Mas, no mínimo, configuram uma convergência. Assim como os vampiros que nos dois últimos anos invadiram todas as instâncias do pop parecem ser sintoma de uma rebeldia latente, ou pelo menos simbólica, à cultura da passividade e da conformidade às normas, esses três cineastas singulares parecem manifestar uma inquietude ainda mais profunda: o temor de que se esteja vivendo uma morte da imaginação. Que, como qualquer déspota poderia esclarecer, é de longe a mais subversiva e incorruptível das qualidades humanas."

"Em O Fantástico Sr. Raposo, quando o protagonista recai no vício e volta a roubar, os três fazendeiros empreendem uma caçada de proporções caóticas a ele e aos outros animais da área. Raposo, que não consegue se conter, responde à perseguição em escala, com ações cada vez mais audaciosas - e inspiradas, agregadoras e libertadoras. Os fazendeiros, lógico, representam a mediocridade rampante, a ganância bura e o ódio dos medíocres aos que diferem deles; Raposo é o espírito que não pode ser vencido."

Ilustrações de concept art de Chris Appelhans para o filme do Sr. Raposo

Real Time Web Analytics